PRÊMIO ENERGISA ARTES VISUAIS

Energisa

Amanda Mei

São Paulo-SP, 1980. Vive e trabalha em São Paulo-SP.

Licenciatura e bacharelado em Artes Plásticas (FAAP, 2003/2004). Participa de grupos de estudo e projetos de pesquisa desde 2004 (CCSP, Instituto Itaú Cultural, 28ª Bienal de São Paulo, Faculdade Santa Marcelina, Instituto Tomie Ohtake). Individuais: Como fazer tempo com sobras (Galeria TAC); As sobras e desconstruções (Caixa Cultural, São Paulo); II Mostra do Programa de exposições (CCSP). Coletivas selecionadas: I Concurso Itamaraty de Arte Contemporânea; Salão de Arte do Mato Grosso do Sul; Rumos Artes Visuais: Trilhas do desejo; Anarcademia (28ª Bienal de São Paulo); 59º Salão de Abril (Fortaleza); 12º Salão Paulista de Arte Contemporânea; TRIPÉ (Sesc Pompéia); Vorazes, Grotescos e Malvados (Paço das Artes). Prêmios: Cité Internacionale des Arts [residência] (Paris); I Salão dos Artistas Sem Galeria; 17º Encontro de Artes Plásticas de Atibaia; 11º Bienal Nacional de Santos; 35º Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto; 8ª Bienal do Recôncavo (São Félix-BA).

http://issuu.com/amandamei


Braz Marinho

Sousa-PB, 1961. Vive e trabalha em Jaboatão dos Guararapes-PE.

Residiu e trabalhou em São Paulo e Portugal. Individuais em João Pessoa (Usina Cultural Energisa, Centro Cultural São Francisco, Núcleo de Arte Contemporânea); Recife (Galeria Mariana Moura, IAC, MAMAM, Museu Murilo La Greca, Museu da Abolição, Fundação Joaquim Nabuco); Salvador (Galeria Fabio Pena Cal); Belo Horizonte (Galeria Quadrum); Brasília (Galeria Fayga Ostrower/ Funarte). Coletivas no Brasil e em países como: Itália, Argentina, França e Espanha. Prêmios no Salão Nacional de Belo Horizonte (Museu da Pampulha, 2000 e 2001).

http://www.braz.finisart.com/


Laércio Redondo

Paranavaí-PR, 1967. Vive e trabalha entre Estocolmo e Rio de Janeiro.

Cursa artes plásticas (FAAP, 1998); Pós-graduação (Konstfack, Estocolmo, 2001). Ministrou workshops no Moderna Museet (Estocolmo); Hochschule für Bildende Künste-HBK (Braunschweig, Alemanha). Individuais: Para mirar al sur (Galeria Box 4, Rio de Janeiro, 2007); Listen to me (Kunsthalle Göppingen, Alemanha, 2005). Coletivas: Arte Pará (2009); Leibesubüngen (Galerie Hochschule für Bildende Künste, Braunschweig, 2008); Maybe at home (Pyramida Centre for Art, Haifa, Israel, 2007); XI Triennale Índia (Nova Delhi, 2005); Im Bild (Kunsthalle Göppingen, 2004); Bienal do Mercosul; Modos de usar (Galeria Vermelho, São Paulo, 2003). Artista residente no programa Batiscafo (Havana, Cuba, 2007); Akademie Schloss Solitude (Stuttgart, Alemanha, 2004-5); IASPIS (2008); Residence Botkyrka (Estocolmo, 2011).

http://www.laercioredondo.com/

Voltar