PRÊMIO ENERGISA ARTES VISUAIS

Energisa

A Usina Cultural Energisa

Desde que foi inaugurada, em 29 de maio de 2003, a Usina Cultural Energisa (sede da filial paraibana da Fundação Ormeo Junqueira Botelho) tem se consolidado como uma das principais instituições culturais da Paraíba, notadamente após a realização, em maio de 2007 e 2009, das 3ª e 4ª edições do Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa – Cineport, evento multicultural que atraiu, em ambas as edições, pelo menos 50 mil pessoas em apenas dez dias.

Localizada em área de preservação histórico–cultural na cidade de João Pessoa, Paraíba, o espaço funciona em duas edificações erguidas na primeira metade do século XX e rodeadas de ampla área ajardinada. A instituição dispõe de galeria de arte, café, loja de souvenirs, livraria, espaço multifuncional para a realização de atividades variadas, além do Espaço Energia, espécie de museu temático didático–interativo sobre a história da energia elétrica e a importância de seu uso racional e eficiente.

Considerado pela Eletrobras o primeiro centro de referência sobre eficientização energética da América Latina, o Espaço Energia já recebeu, desde sua implantação em julho de 2005, cerca de 100 mil visitantes.

A galeria de arte da Usina Cultural Energisa – seguramente o mais bem equipado espaço expositivo de João Pessoa, também inaugurada em maio de 2003, desde então realizou, aproximadamente, 60 exposições temporárias de artes visuais, com a participação de artistas paraibanos, brasileiros e estrangeiros, com destaque para as mostras: Arte Brasileira na Coleção Lily Marinho (2008), Memória das artes visuais na Paraíba – do século XIX à contemporaneidade (Conexão Artes Visuais/Funarte/MinC/Petrobras, 2008), NAC 30 anos: sobrevivendo nas Trincheiras (Rede Nacional Funarte Artes Visuais, 2009), Cartas e trajetos (em parceria com o Centro Cultural Banco do Nordeste, 2009) etc. Em 2005, foi lançado o Edital de Ocupação da Galeria de Arte para o biênio 2005–2006, cuja seleção teve curadoria de Fernando Cocchiarale, Anna Bella Geiger e José Rufino.

Paralelamente a algumas das mostras acima, foram realizadas na Usina várias atividades educativas (oficinas, visitas guiadas e palestras etc.), tendo em vista estimular o desenvolvimento de uma consciência crítica entre os jovens, o reconhecimento da obra de alguns dos mais representativos artistas paraibanos e a reflexão sobre temas significativos, tais como: gestão e manutenção de acervos, arte pública, colecionismo e o papel das artes visuais na contemporaneidade.

Em 2010, foi realizada a mostra Hélio Oiticica e Jackson Ribeiro: do neoconcreto à arte pública, através do edital Rede Nacional Funarte Artes Visuais, composta de exposição iconográfica, seminário e oficinas. Além disso, duas residências artísticas, realizadas em parceria com o MAMAM no Pátio (Recife) e patrocinadas pelo Programa BNB Cultural 2010, culminaram com 02 mostras e 01 performance, todas realizadas na galeria.